WhatsApp, o Patinho Feio da família Facebook

Durante apresentação recente na conferência anual F8, Zuckerberg se referiu aos aplicativos do Facebook como uma família, explicando seus objetivos e características individuais. Mas o que chamou minha atenção foram os números em um dos slides.

Te convido a prestar atenção na imagem abaixo. Veja como o antigo Facebook Messenger e o adquirido WhatsApp já têm quase o mesmo número de usuários. Vale também uma boa olhada no número de usuários dos Grupos do Facebook.

O WhatsApp, conforme prometido, não foi desativado como o Beluga e, de certa forma, continuou evoluindo. Mas, apesar de Zuckerberg constantemente reforçar a afirmação de que os dois aplicativos têm usuários e públicos distintos, nada me tira da cabeça que, na verdade, o WhatsApp tende a ser deixado de lado para morrer gradativamente.

Por que penso dessa forma? Em primeiro lugar, o WhatsApp continua sendo uma gambiarra. Em outras palavras, é o Patinho Feio da Família Facebook. Enquanto isso, o número de usuários Messenger continua crescendo ao mesmo tempo que o aplicativo evolui e ganha funcionalidades inovadoras.

Na mesma F8, foi anunciado que o Messenger passaria a ser uma plataforma para os mais diferentes projetos. Em minha opinião, não pode haver declaração maior de amor e atenção. Além disso, precisamos considerar o recurso de envio de dinheiro para contatos e recentemente as vídeo-chamadas. Se não te parece muito, cabe mencionar também o lado Business do aplicativo.

O cenário me parece muito claro. O WhatsApp tem tido atenção suficiente para abafar potenciais reclamações dos usuários, que possivelmente viriam como aconteceu no pós-aquisição do Instagram.



Até concordo, parte do público dos dois aplicativos é diferente, mas com o mínimo de atenção e inovação no WhatsApp, as pessoas não reclamarão e, além disso, aos poucos migrarão para o Messenger, em busca de recursos modernos e mais robustos.