Não tenho mais livros... E agora?

Já disse algumas vezes e repito, não tenho nada contra papel ou livros impressos. Por outro lado enxergo inúmeras vantagens no eletrônico. Além disso me adaptei por completo a essa nova era que nos permite acesso a uma enorme quantidade de conhecimento e entretenimento em espaços de armazenamento cada vez menores.

Esse final de semana finalmente dei o passo derradeiro de um longo caminho que teve início em 2001 quando comprei minha primeira câmera digital. Depois das fotos, migrei música, filmes e agora livros para meu computador. Mantive apenas o que interessa: o conhecimento e o fichamento no Evernote. Infelizmente precisei "desmontar" alguns livros para otimizar a digitalização (exemplos abaixo).

O momento de desapego finalmente chegou e, apesar de gostar muito de ler, os que entrarem a partir de agora no meu escritório verão apenas espaços vazios nas prateleiras. Hoje dormirei mais leve. Viva o minimalismo!