Flickr, uma alternativa interessante para armazenar e organizar suas fotos

Já era usuário do Flickr há algum tempo quando o Yahoo adquiriu o serviço. Lembro-me de ter ficado bastante chateado na época. Exatamente como aconteceu no processo de aquisição e transição do GeoCities, precisei unificar logins e nomes de usuários. No meu caso a confusão foi tamanha, que acabei excluindo a antiga conta e criando uma nova.

Hoje, lendo o livro Marissa Mayer and the Fight to Save Yahoo!, tenho aprendido muito sobre os bastidores da empresa e consigo compreender melhor cada um desses momentos traumáticos de transição conturbada pós-aquisições.

Publicidade: Conteúdo exclusivo sobre Evernote, tecnologia e produtividade.

Pessoalmente considero que o Flickr foi a primeira rede social do mundo. Desde o início, as fotos podiam ser organizadas em coleções ou compartilhada em grupos e sempre houve interação entre os usuários. Lembro de gastar horas navegando nos finais de semana. Adorava sentar na frente do computador e ficar vendo aquelas incríveis imagens e interagindo com os fotógrafos.

A era do Google e redes sociais quase destruiu o Yahoo e seus serviços. O Flickr, por exemplo, ficou abandonado por anos perdendo mercado para o Instagram, até que Marissa Mayer chegou a empresa e começou a reestruturar tudo. Felizmente, um dos primeiros itens da fila foi o Flickr.

As mudanças têm sido constantes e significativas. Começaram com aplicativos para Android e iOS e foram acompanhadas de uma reformulação do site, ainda em progresso, mas muito bem-vinda. O próximo passo foi tornar o serviço gratuito com espaço de 1 TB. Isso mesmo, 1 TB! Me parece o suficiente para uma vida inteira de fotografias.

Outra novidade são os aplicativos para upload. Funcionam no Mac, Windows, Android e iPhone e facilitam demais o processo de envio de fotografias. Nos dispositivos móveis é possível ativar o recurso para automaticamente enviar todas as suas fotos como acontece no Google Plus e Dropbox e elas sobem sempre protegidas. Uma vez na nuvem, cabe a você definir o que será exibido para o público.

Photostream e Camera Roll

Na versão web do serviço ainda é um pouco difícil entender essa separação por conta da falta de clareza das abas Photostream e Camera Roll. A primeira mostra todas as suas fotos em ordem decrescente de upload, mas as pessoas só conseguem ver aquilo que você definou como público. Já o Camera Roll é fechado por natureza e permite vários tipos de filtro.

O problema, em minha opinião, é que ainda é bem confuso entender isso via web. Ao mesmo tempo, achei genial a mudança recente no aplicativo para iPhone. O nome das abas é muito claro: "Camera Roll" e "Public". Na primeira vemos tudo que está fechado e protegido e na segunda apenas o que tornamos público. Se isso for portado para a versão web do serviço, será fantástico.

Levando em conta o preço (gratuito!), o espaço, o aspecto social, propriedade das fotos descrita nos termos de uso e, principalmente, o foco que tem sido dado ao serviço, considero que o Flickr tem o melhor custo x benefício da categoria. Portanto, se você não tem nenhum tipo de backup para suas fotos, pare de ler agora e ao menos instale o App no seu celular e ligue o recurso de upload automático.

O que não gosto?

Em primeiro lugar, a falta de um espelho automático das fotos no meu computador. Deixar tudo apenas na nuvem é confiar demais em terceiros para armazenar as fotos. É preciso uma segunda camada de proteção.

Leia também: Quem tem um, não tem nenhum!

Ontem, publicaram no blog oficial um enorme artigo sobre as mudanças recentes e uma novidade é a possibilidade de realizar um download em massa de fotos em formato compactado. Me parece um bom começo, mas o inconveniente é ter que lembrar de fazer isso com frequência e depois guardar as fotos em algum lugar seguro.

Outro problema é a não assimilação das edições feitas. Caso você edite uma foto no seu telefone depois que ela já foi enviada para o Flickr, essa edição não será atualizada na web. Ou seja, você terá uma foto antiga na nuvem e uma nova apenas no seu telefone. Em outras palavras, para que o back-up funcione de verdade, terá que sempre lembrar de manualmente enviar aquela foto novamente para o Flickr.


Publicidade: Livro Desvendando o Flipboard na AmazonAppleGoogle Play e Kobo.


Esse segundo ponto foi resolvido pela Apple para os usuários Mac e iOS com o lançamento do iCloud Photo Library, mas há um custo (aparentemente o mais elevado do mercado por MB armazenado). Enfim, avalie porque a solução da Apple é genial. Tudo fica em nuvem e uma edição feita na foto no seu iPhone, iPad ou Mac é automaticamente propagada para os demais dispositivos.

Infelizmente ando tendo muita dor de cabeça e venho sofrendo horrores para conseguir fazer o serviço funcionar a contento. Vide artigos iPhoto, Photos, Photo Stream, iCloud Photo Library e como entender tudo isso... e iCloud Photo Library, parte 2. E é claro, a solução da Apple é totalmente proprietária. Para que funcione bem, você preciso estar completamente imerso nos produtos e serviços de Cupertino.

Por outro lado, o Flickr não é o único fruto da nova era Yahoo qua vem me surpreendendo positivamente. O Tumblr continua firme e forte e o Mail começa a se reerguer, mas o News Digest é meu queridinho da vez. Que aplicativo interessante! Além de juntar um conjunto de noticias relevantes para seu início de dia (em inglês), inclui no final de cada uma delas alguns links e caixas de informação do tipo "saiba mais" com detalhes extraídos da Wikipedia, Twitter, valor das ações na bolsa etc.

Transporte seletivo de fotos para o Flickr via Uploadr

Portanto, a Apple que se cuide. Dependendo do desfecho da minha novela iCloud Photo Library e da evolução do Flickr, pode ser que eu abandone por completo o serviço Photos e migre para o Yahoo!