Backup em viagens

Por conta do preço, comprei meu MacBook Air com apenas 60 GB de armazenamento. E abrir mão de mais espaço não foi uma decisão tão difícil. Além do custo adicional, confesso que nunca imaginei que me adaptaria tão bem ao equipamento. Meu plano era manter a “computação séria” no MacBook (que eu já tinha) e sincronizar parte do conteúdo com o Air para trabalho externo e em viagens. Nossa, como me enganei! O Air é uma super-máquina!

Depois de um upgrade para 250 GB de armazenamento no ano passado — meu bolso não comportava mais que isso! —, ele se transformou no meu computador principal e recentemente ganhou também um monitor externo de 22 polegadas.

Mas chegar a este estágio exigiu várias adaptações. Minhas músicas, por exemplo, estão no iTunes Match e por um longo período minhas fotos estiveram hospedadas em um mini-pendrive de 32 GB que ficava o tempo todo conectado em uma das portas USB do Air. Aprendi muito buscando solucionar essas necessidade de otimização de espaço em virtude da portabilidade e chegou a hora de mais uma mudança.

Os 250 GB do Air não conseguiam mais comportar todo conteúdo multi-mída que produzo (principalmente vídeos) e isso estava me prejudicando no trabalho remoto. Outra coisa que vinha me incomodando bastante era a falta de uma solução para backup durante minhas viagens.

Em casa tenho um Time Capsule, mas quando viajo por um longo período fico parcialmente desprotegido. Não bastasse a preocupação natural de alguém paranóico com backup como eu, o OS X ainda fica o tempo todo me avisando que o armazenamento no Time Capsule está pendente.

Minhas músicas já estão no Match, as fotos da viagem sempre vão para o Photo Stream e grande parte do que produzo é guardado no Dropbox e Evernote. Mas não há proteção para os arquivos maiores. O backup em nuvem é muito lento e, portanto, impraticável em diversos lugares. Para resolver os dois problemas de uma só vez — mais armazenamento e cópia de segurança — comecei a estudar algumas alternativas e cheguei ao ChronoSync.

Atrás do monitor na foto acima há um hub USB que conecta ao Air os dois HDs de 1 TB (cada) que estão da parte de baixo (veja foto específica aqui).

O da esquerda está dividido em duas partições de 500 GB: “Time Capsule” e “Externo”. Dividi assim porque descobri que posso ativar um segundo HD para backup, portanto o conteúdo do meu Air agora está protegido pelo Time Capsule e por este HD.

Nessa segunda partição estão diversos arquivos que estavam comprometendo o espaço do meu computador, mas que preciso ter comigo ao menos durante as viagens. É aqui que entra o ChronoSync. Programei o serviço para diariamente no meio da madrugada clonar no HD da direita, para o qual dei o nome de “Casa”, tudo que está no “Externo”. E a diferença de espaço de armazenamento entre os dois tornou-se também uma vantagem.

Além de clonar o conteúdo, programei o ChronoSync para mover para uma pasta do “Casa” tudo que eu apagar no “Externo”. Ou seja, se por ventura eu apagar algo equivocadamente, não estará perdido para sempre. Criei dessa forma uma espécie de Time Machine manual.

Agora posso viajar mais tranquilo levando um HD extra no qual poderei fazer meus backups diários e ter acesso a conteúdo que está protegido na forma de uma segunda cópia que fica no HD que nunca sai de casa. E para evitar confusões na hora de colocar o HD na mala, usei dois adesivos do Moleskine Evernote para identificar quem é quem.

Detalhes Adicionais

  • Os dois HDs são USB 3.0, o que permite maior velocidade de acesso;
  • Os dois HDs e o Air estão criptografados. Portanto, se eu for roubado ou perder um ou todos os equipamentos, meus dados estão protegidos.

Gostou da ideia? Você pode utilizar algo similar mesmo que não costume viajar tanto. Pode ser uma forma de dar mobilidade ao mesmo tempo que mantém uma cópia de segurança de seus dados. A propósito, o ChronoSync é extremamente versátil. Pode ser usado para clonar seu Mac criando um HD executável, pode sincronizar conteúdo entre diverso HDs ou pastas e muito mais.