O que falta para trocar meu cartão por um Nubank?

Desde que experimentei o Nubank, em novembro de 2014, enxerguei muito potencial no projeto. Só não migrei por conta da ausência de um programa de milhagens. Outro ponto que me incomodou, mas que relevaria, foi a impossibilidade de colocar a fatura em débito automático. Resultado? O Nubank acabou se transformando no meu cartão reserva.

+ O Nubank é bastante promissor!

Em realidade, apesar de ficar na gaveta, uso ele para todas as compras online. Uma vez que é possível ajustar o limite do cartão via aplicativo, deixo sempre no mínimo necessário para pagar todas as despesas do mês (Netflix e similares) e alguma compra extra. Dessa forma, o número do meu cartão principal nunca estará armazenado em nenhum site e se ocorrer alguma invasão ou vazamento de dados, o hacker terá acesso apenas ao Nubank com um limite bem baixo e que eu posso bloquear instantaneamente via App.

Reserva existe para substituir o titular, certo?

Um ano depois dos meus primeiros testes acabei tirando o Nubank da gaveta justamente por conta de um problema no chip do meu outro cartão. Percebi diversas pequenas melhorias no aplicativo e notei que o débito automático já foi parcialmente resolvido. Clientes Santander agora podem usar o serviço. Infelizmente o programa de milhagens, que parece estar a caminho, ainda não chegou.

Assim que recebi o novo cartão do Itaú, lá se foi o Nubank outra vez para a gaveta. Uma pena! Depois de passar uma semana usando algo tão moderno, fica aquele gostinho da tecnologia bem implementada. Mas uma coisa é certa, se incluírem um programa de milhagens vantajoso como o que tenho no cartão do Itaú, migrarei sem pensar duas vezes!