Por que acredito no futuro da Evernote?

Assim que saiu o artigo da Business Insider enumerando problemas na Evernote, comecei a ser bombardeado por tweets, emails e mensagens de todo tipo.

Porém, ao ler o texto a sensação que tive foi de que o autor até tentou passar a impressão de uma análise imparcial e técnica, mas parte da argumentação está baseada em pressupostos que não são necessariamente reais.

Dito isso, deixo claro, já nestas primeiras linhas, que não tenho como escrever algo sem paixão a respeito de um produto que é parte importantíssima das minhas atividades pessoais e profissionais há tanto tempo. Sou usuário desde 22 de julho de 2008. Comecei precisamente às oito horas, cinquenta e seis minutos e trinta e um segundos (hora de Brasília).

Como sei disso? Armazenai o email de confirmação da criação de minha conta no próprio aplicativo e hoje ele faz parte de um conjunto de quase 8 mil Notas (atualização: 11.000) que me ajudam diariamente. Ter tanto conteúdo armazenado em um único local não aconteceu da noite para o dia. Venho acompanhando cada palavra publicada pela empresa em seu blog, podcast oficial, entrevistas, conferencias etc. E tudo que têm sido dito me faz ter mais e mais confiança no serviço.

Em 2009, já compreendendo o potencial do aplicativo, comecei a organizar meus roteiros de viagem nele e até hoje faço isso. Uma coisa leva a outra e em 2012 tornei-me Embaixador de Viagens da Evernote.

A medida que o tempo foi passando, comecei a experimentar o uso do aplicativo para outras atividades e em 2014 me certifiquei em Evernote Business. Atualmente, auxilio pessoas e empresas a terem uma vida mais organizada com a ajuda dessa incrível ferramenta.

+ Palestra na Evernote meetup na Fujitsu Brasil

Nas minhas apresentações, quando começo a falar sobre o serviço, normalmente digo que ele não é perfeito. Acho natural, é uma empresa nova e, além disso, nada nesse mundo está livre de falhas. Por outro lado, sem dúvida alguma, o Evernote é a melhor ferramenta que já encontrei para me organizar e produzir. Sim, experimento outras com frequência, mas ainda não encontrei nada com sequer o mesmo potencial.

Para chegar a essa mesma conclusão, é importante que você entenda que o Evernote não é um simples bloco de notas digital. Isso é uma metáfora! Alias, diga-se de passagem, prefiro a analogia com fichários escolares.

O Evernote também não é um sistema de armazenamento puro como o Dropbox, Google Drive, iCloud etc. O Evernote é, em realidade, uma ferramenta poderosíssima. Se já leu meu livro, assistiu uma das minhas apresentações ou ouviu parte dos quase duzentos episódios do Diário de um elefante, acho que consegue entender meu ponto.

O conjunto todo e o que pode ser feito com ele é a chave para ter sucesso no uso do aplicativo. Dentre as várias possibilidades, podemos escrever, gravar conversas, armazenar arquivos, capturar conteúdo de inúmeras fontes, filtrar ou cruzar informações, localizar conteúdo rapidamente, controlar tarefas e ainda compartilhar ou apresentar tudo isso para um grupo de pessoas.

Até entendo a confusão com um simples bloco de notas porque ele é um livro em branco aguardando a sua história. Por isso, cada usuário tem uma forma particular e única de uso. E a medida que cada um vai construindo seu arquivo e desenvolvendo formas de interação, ele se trona mais e mais eficiente. Em outras palavras, o Evernote é uma ferramenta muito poderosa, mas precisa ser explorada por você.

Existem problemas? É claro! Quem não os tem? Mas ao resgatarmos os anúncios e declarações da empresa é possível ver o oposto da visão pessimista do artigo do Business Insider. O que vejo é vontade e trabalho duro para acertar. O gesto de Phill Libin de deixar o cargo de CEO deve ser encarado com muita admiração por todos nós. Demonstra sua total dedicação e lealdade ao futuro da empresa. Foram ao mercado buscar alguém técnico para que o tão falado objetivo de uma empresa de 100 anos seja atingido.

A recente "carta" de Chris O’Neill, novo CEO, publicada no blog oficial da empresa, a propósito, bem antes do polêmico artigo, já passa dois recados claros: organização interna e foco. Foco, aliás, é extremamente importante. Foi o que reergueu a Apple e era a sugestão que Jobs costuma dar para outras empresas como Nike, Yahoo etc.

Yahoo! can be anything you want. Seriously. You have talented people and more money than you could possibly need, (...) I can’t figure it out, though, if you’re a content company or a technology company. Just pick one. I know which I’d pick.
— Steve Jobs

Acredito, entretanto, que o sinal mais importante veio alguns dias antes no texto "The Future of Writing in Evernote", que comentei no artigo "O que mudará no editor de textos do Evernote®?". Lá explico que as mudanças estão acontecendo por debaixo do capô e que o potencial desse ajuste é gigantesco.

O objetivo é deixar o motor do aplicativo pronto para vencer qualquer corrida e é aparentemente isso que O'Neill está querendo dizer na frase: "Evernote’s strength is in its core: notes, sync, and search. That’s where we’re going to focus".

Venho utilizando o beta no Mac há alguns dias e estou adorando ver que tudo que está sendo mudando não interfere em quase nada na interface visual e no uso tradicional do aplicativo. O trabalho está sendo feito de forma limpa para que todos tirem proveito de potenciais incrementos no futuro.

As demais reestruturações são tristes, porém necessárias. Pessoas foram demitidas e escritórios fechados. Mas antes precisamos entender por que eles existiam. A sede da Evernote, que tive o prazer de visitar em 2014, é um prédio incrível com vários andares e potencial para abrigar muito mais gente.

O artigo do Business Insider insinua que as demissões criaram um andar fantasma. Não é uma afirmação correta. Já estava assim há um ano! Eu estive lá. O prédio foi claramente idealizado prevendo crescimento no futuro. Em paralelo, alguns dos escritórios ao redor do mundo só existiam porque faziam parte da estrutura original de empresas adquiridas como o Skitch e o Penultimate.

Porém, enquanto fã, o que me deixou mais triste foi o encerramento das conferências anuais. Estive em 3 das 4 e nessa última falei em um painel. A energia é incrível, as palestras são excelentes e os presentes estão sempre de alguma forma envolvidos com o aplicativo. É um ambiente maravilhoso, mas concordo com a racionalidade de O’Neill.

+ Achieving Your Best Work with Evernote Business

Sempre que promovo ou participo de um Workshop, percebo como é muito mais produtivo trazer o conhecimento para onde as pessoas estão e não o contrário. Realmente não me parece eficiente ou mesmo democrático restringir esse compartilhamento a um evento feito para os que tem tempo e dinheiro para atravessar meio mundo uma vez por ano.

Não encontrei nenhum comentário oficial a respeito do futuro do Market, mas críticas aqui também não fazem sentido. Executivos da empresa já deram declarações importantes sobre a loja. Segundo eles, uma grande quantidade de pessoas que compra os produtos utiliza a conta gratuita do Evernote. Ou seja, é a primeira vez que estão gerando receita para a empresa. Em agosto de 2014 essa receita especificamente vinda da loja já atingia a incrível marca de 10 milhões de Dólares. Não me parece um negócio tão ruim assim.

Outros números na "carta" de O’Neill também me impressionaram bastante. São 20.000 empresas utilizando o Evernote Business e houve um aumento de 40% nos assinantes pagos neste período do ano, quando comparado a 2014.

Portanto, não vejo sinais de uma empresa em dificuldades. Ao contrário, minha impressão é de que tudo isso é uma reestruturação para crescer com foco e de maneira organizada e eficiente. Além disso, trata-se de uma ferramenta que ajuda milhares de usuários ao redor do mundo diariamente. Já ouvi histórias incríveis de pessoas que estão mudando a vida de outras porque leram meu livro, aprenderam algo comigo e estão aplicando isso no seu dia-a-dia. Médicos que ajudam pacientes, professores que ajudam alunos e assim por diante.

Em resumo, continuo acreditando e me dedicando ao incrível Evernote. E estou só esperando o dia do IPO. Anote aí (no seu Evernote!)... Se e quando acontecer, serei um dos primeiros a comprar ações.